19 de fevereiro de 2016

Tubulação PEX

Esses dias houve uma bafafá aqui no meu prédio sobre as instalações hidráulicas. Um proprietário disse que precisou mexer no banheiro e que encontrou uma "borracha" nas instalações, disse que isso era um absurdo, que a água quente iria derreter essa borracha, que a construtora era uma porcaria. Na mesma hora me lembrei do PEX, que já tinha ouvido falar, mas nunca vi na prática. O incrível dessa história é o poder que as pessoas tem pra criticar sem ao menos fazer uma pesquisa anteriormente. O PEX é um material excelente, que serve tanto para água fria quanto para quente e ainda é flexível, o que facilita a instalação por não haver necessidade de conectores. Além disso, os problemas causados por más juncões de conectores à tubulação fica praticamente nulo. É um material novo, ainda pouco conhecido, mas que pode certamente vir a se tornar muito comum devido à vantagens que apresenta.


Minha pesquisa sobre ele resultou neste texto abaixo, que mostra como são feitas as instalações.


Apropriado para condução de água fria e quente, o sistema PEX (polietileno reticulado) tem capacidade de fazer curvas, reduzindo a quantidade de conexões. O mais indicado é fazer instalações com uso de distribuidor (manifold), mas também é possível adotar ramais, sub-ramais, joelhos e conexões em "T". Neste caso, aumenta a quantidade de conexões e perde-se a facilidade para manutenção.



Ilustrações: Daniel Beneventi

1. Água fria
Há tubulações PEX monocamada e multicamada, ambas flexíveis e utilizadas para água quente ou fria. As monocamada são constituídas apenas de PEX. Os tubos multicamadas, que incluem alumínio em sua composição, apresentam menor coeficiente de dilatação térmica, maior resistência a altas temperaturas e à pressão.

2. Água quente
De acordo com os fabricantes, o PEX apresenta elevada resistência térmica, sendo capaz de suportar até 95°C, e baixa condutividade térmica, o que significa pouca perda de calor.

3. Tubo-guia
Embutir os tubos PEX em tubos-guia (ou tubos-bainha) é importante para melhorar a eficiência térmica do sistema no caso de condução de água quente) e facilitar eventuais reparos ou substituições.

4. Shaft
Esse espaço vertical por onde passam as instalações hidráulicas do banheiro permite acesso às colunas em caso de inspeção e manutenção.

5. Conexões
Conexões em PEX podem ser metálicas (latão, cobre) ou de polissulfona (PSU) com bolsa metálica de aço inox e ponta embutida com anéis de borracha para vedação. A união entre as peças se dá por crimpagem, processo que utiliza alicate crimpador que conforma o anel metálico da conexão ao tubo, dispensando o uso de adesivos.

6. Crimpagem
A parte branca é a polissulfona (plástico de engenharia) e a parte metálica é de aço inox.

7. Abraçadeiras
O caminhamento dos tubos pela laje requer o uso de abraçadeiras a distância proporcional ao diâmetro dos tubos (geralmente a cada 80 ou 160 cm).

8. Manifold
Distribuidor, geralmente em cobre ou latão, que distribui a água vinda de um ramal ou coluna para tubos de diâmetro menor, ou seja, os subramais. São encontrados no mercado com duas, três ou quatro saídas, nas bitolas de 1" e 3/4".

9. Colunas de distribuição
Os manifolds são conectados às colunas, que devem estar localizadas, preferencialmente, dentro de shafts inspecionáveis.


Fonte: equipedeobra.com.br



Nenhum comentário: